Aquecimento Global seria farsa?

Por Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte)

De acordo com o professor, físico e meteorologista Carlos Molion¹, é sim. E não é só ele que pensa assim não. 

Mojib Latif, pesquisador do IPCC (sigla em inglês para painel Intergovernamental de mudança de clima), declarou que “nos próximos 10 ou 20 anos há uma tendência de resfriamento natural da terra”. Segundo Vicky Pope, do Serviço Meteorológico do Reino Unido “a perda dramática de gelo na cobertura do Ártico é parcialmente um produto de ciclos naturais, e não do aquecimento global”. (Fonte: Reinaldo Azevedo, colunista da Veja).

Em entrevista para o site Terra Magazine (dezembro, 2009), Molion- que estuda o clima desde 1970 – contou que, quando concluiu seu doutorado, há 35 anos, nos Estados Unidos, o “consenso” da época era que o mundo estava em uma Era Glacial.

Para Molion, a teoria do Aquecimento Global seria uma espécie de conspiração dos países ricos para frear o desenvolvimento econômico de países como a China e o Brasil. Ao ser questionado a respeito da campanha mundial sobre a necessidade de se reduzir as emissões de gás carbônico  ele respondeu:

 “Quando se diz, ‘vamos reduzir as emissões’, o que se quer dizer é: ‘Vamos reduzir a geração de energia elétrica’. Os países não crescem. Tudo está baseado na energia elétrica. Isso vai afetar um desenvolvimento social e econômico dos países. Os Estados Unidos adorariam que a China reduzisse as suas emissões…”

 

“As leituras do satélite mostram que o resfriamento continua”/ “O aquecimento global é uma fraude.”

Levando em consideração as catastróficas previsões climáticas apregoadas diariamente nos noticiários,  chega a ser quase (eu disse quase) tranquilizador conhecer  ideias de estudiosos como Molion.  Seria bom respirar e andar pelo mundo com menos sentimento de culpa, afinal, segundo ele, o homem não tem a capacidade de influenciar o clima, portanto não seria o (único) responsável pelos desarranjos nas temperaturas globais.

Nas palavras do estudioso, “a quantidade de carbono lançada pelo homem é ínfima, é irrisória, se comparada com os fluxos naturais dos oceanos, solo e vegetação. Para atmosfera, saem 200 bilhões de toneladas de carbono por ano. O homem só lança seis.
Qual a incerteza que nós temos nesses ciclos naturais? É de 40 bilhões de toneladas para cima e para baixo. Ou seja, existe uma incerteza de 80 bilhões que é oito vezes maior que o que o homem lança na atmosfera. Não tem como se controlar o carbono. E se controlar, se reduzir as emissões, não haverá impacto nenhum no clima. O clima hoje deixou de ser um problema científico, ele é um problema político-econômico”.

Em entrevista que assisti no Canal Livre (programa da Rede Bandeirantes), em 2009 , Molion afirmou que  a mudança climática é um fenômeno natural e cíclico e não decorre exclusivamente da ação antropogênica (do homem) e foi mais além. Segundo ele, o aquecimento global estaria sendo utilizado como pretexto para se tentar coibir o desenvolvimento dos países do Terceiro Mundo, o que ele denomina como “a farsa do aquecimento global”.

Seja como for, não podemos negar que nossas ações reforçam o problema e que, se não podemos reverter os tais fenômenos cíclicos naturais responsáveis pelas mudanças climáticas no globo, podemos e devemos reverter os efeitos dos nossos próprios atos – por mais que isso represente apenas uma gota d’água no oceano.

Pense nisso:

“A natureza não faz nada em vão”. (Aristóteles)

1 Luiz Carlos Baldicero Molion é bacharel em Física pela USP e doutor em Meteorologia – e Proteção Ambiental, como campo secundário – pela Universidade de Wisconsin, Estados Unidos. Concluiu seu pós-doutorado no Instituto de Hidrologia, em Wallingford, Inglaterra, em 1982, na área de Hidrologia de Florestas. É associado do Wissenschaftskolleg zu Berlin (Instituto de Estudos Avançados de Berlim), Alemanha, onde trabalhou como pesquisador visitante de 1989 a 1990. (Fonte: www.forumdaliberdade.com.br)

Se você curtiu esse post, deixe um comentário!

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos, Vídeo e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

12 respostas para Aquecimento Global seria farsa?

  1. Na minha breve opinião, o aquecimento e uma farsa mesmo
    porque falam falam que e tudo porcausa do aquecimento global.

    Ai to de saco cheio e tudo o que falam e por causa do aquecimento
    até os pliticos robam e por causa do aquecimento. Ridiculo.

  2. Puucky disse:

    Muito informativo seu blog, tenho um amigo que é tecnico e concerteza vou recomentar seu blog a ele.
    Parabéns.

    Comenta o meu tbm?
    http://lilithcarpediem.blogspot.com/

  3. Mt bom su blog, super informativo.
    marcileneleao.blospot.com

  4. Olá,

    Alguns dizem que há interesses por trás desse tal de aquecimento global. Pode até haver alguns que se aproveitam no meio de uma coisa midiática tão grande, mas enquanto o absurdo empirismo dessa gente que comanda e domina essa questão não aplicar as ciências de conhecimento universal e assim continuar cometendo erros tão absurdos e elementares da física básica, podem deixar que se trata apenas de ignorância científica mesmo e, por isso, uma “conspiração” climática mundial não se sustenta. E já deram muitas provas disso, em seus “modelos” fajutos (os quais são ajustados para darem os resultados desejados, que absurdo!!), em publicações de revistas, em “previsões”, etc. Primeiro eles têm que entender bem e resolver cientificamente a questão, como eu já a resolvi, modestamente, o que o Molion não conseguiu, antes de afirmarem que há conspiração, por uma questão de lógica e bom senso.

    Quem comanda e domina essa questão no mundo é o IPCC e seus meteorologistas, climatologistas, hidrologistas, etc, os quais, para afirmar que existe aquecimento “global”, absurda e ingenuamente relacionaram um aumento de temperatura com um aumento de CO2. Mas, para constatar que há aumento do efeito estufa não basta uma simples e ingênua relação de um parâmetro com outro, pois na atmosfera há muitos outros parâmetros que precisam ser relacionados entre si para podermos realmente constatar um aumento de aquecimento atmosférico. E tais relações são baseadas na teoria física da questão, o que não se vê os profissionais acima relacionados fazerem, por isso erram tanto e tão absurdamente. E falo isso não apenas em relação às coisas que se vê na mídia, mas em relação às publicações de suas revistas internacionais, cujos artigos deveriam ser um primor de ciência, mas não são, são muitos e enormes absurdos mesmo.

    Além de eles terem relacionado somente um único parâmetro com outro, eles escolheram apenas as partes da história em que há os referidos aumentos, mas há outras partes da história em que há reduções desses parâmetros que não foram considerados por eles. É nessa hora que entra o Molion, que escolheu para suas afirmações exatamente o lado contrário dos outros, ou seja, quando os referidos parâmetros decrescem, cometendo o mesmo erro, só que do lado contrário. Vale lembrar que o Molion é tambem meteorologista e, como os outros empíricos, só depende de dados experimentais, os quais têm uma variabilidade natural complexa que confunde se as análises não forem ajudadas pela verdadeira teoria científica. Trabalhei e tenho trabalhado teórica e experimentalmente com sistemas de aquecimento atmosferico e posso dizer que quase tudo que tem sido dito sobre o tal do aquecimento “global” está essencialmente errado, inclusive pelo Molion.

    Por incrível que pareça, o ser humano é sim capaz de causar mudanças climáticas, mas não do jeito que dizem. Com poucas palavras, faço qualquer um entender como o ser humano pode sim interferir no clima. Enquanto isso, conheçam mais em sartori-aquecimentoglobal.blogspot.com.

    • Boa tarde professor Ernani,
      gostaria de agradecer sua visita e sua colaboração em nos explicar um pouco mais a respeito desse tema tão polêmico. É sempre positivo conhecer vários ângulos de um mesmo assunto para não cairmos na armadilha de tecer opiniões preconceituosas ou baseadas em “achismos”. A questão foi lançada. Quisera outros estudiosos, como o senhor, viessem nos munir de informações esclarecedoras, de forma que nós, leigos, conseguíssemos compreender e participar mais ativamente de debates sobre o assunto.

      Vou, agorinha mesmo, acessar o link indicado.
      Abraços.
      Amanda Paz

  5. Ernani disse:

    Obrigado, Amanda.

    Abraços,

    Ernani

  6. Blog Teia disse:

    Oi Amanda.
    Adorei seu blog.
    Divulguei seu post na Teia.
    Seria um prazer ter meu banner aqui,se desejar o código está na minha primeira página
    Quando tiver atualizações me dá um toque que divulgo novamente.
    Até mais

  7. – Professor, a Terra vai aquecer ou esfriar?

    – A única possibilidade para a Terra esfriar de vez é o Sol esfriar de vez, ou seja, o fim do mundo. Não sendo isso, trata-se apenas das variabilidades das temperaturas, as quais dependem de uma série de fatores, incluindo as causadas pelos ciclos do Sol.

    O Molion disse que o planeta vai esfriar nos próximos 20 anos para contradizer o tal aquecimento, mas, não é dessa forma que se resolve a questão da influência humana no clima. Além disso, depois de 20 anos, ele dirá que o planeta vai aquecer ou vai esfriar até o fim do mundo? Parece que ele sabe quando e como vai ser o fim do mundo…

    A ciência séria não vive de previsões, nem de adivinhações, nem de alquimia, nem de empirismo, nem de “achismos”, pois ela trata de constatar e descrever com critério e rigor o que existe e isso já é muito difícil de fazer com exatidão, quanto mais profetizar sobre o futuro ou o longínquo passado quando os eventos da natureza são tão complexos e variáveis bem como os distantes dados não são confiáveis e métodos disponíveis não têm a precisão requerida para dar garantias sobre tempos longe do presente. E quem poderá vaticinar sobre mudanças drásticas do comportamento do Sol, sabendo-se que a energia emitida por ele (medida e conferida por satélites) pode ser considerada constante, pois ela varia para mais e para menos em no máximo 0,5 W/m2 (0,04%) aproximadamente a cada 11 anos em torno de uma média de 1.366 W/m2 (e ainda fora da atmosfera, pois esta – principalmente o vapor d’água – atenua essa energia na sua maior parte)?

    Nisso tudo, o que interessa é o Homem ser capaz de saber se e como ele pode influenciar o clima (sobre isso já desenvolvi e esclareci muito), independentemente se com mais ou menos energia recebida, pois naquilo que o Homem não controla não adianta ficar batendo boca se é o Sol ou não é o Sol. Também fico impressionado com a facilidade e “exatidão” que os empíricos têm em “garantir” os longínquos passados e futuros quando na verdade não conseguem sequer conhecer e descrever corretamente o comportamento da atmosfera atual e real.

    O Homem deve ser ciente daquilo em que pode atuar e modificar e, esfriar o planeta o ser humano não pode, a menos que fizesse uma geladeira maior do que a Terra para retirar calor do planeta (logo, esfriar) e jogar esse calor para o espaço e isso é o que postula a segunda lei da termodinâmica para o caso, a qual não pode ser desprovada. Assim, a influência humana em um esfriamento do planeta está descartada.

    Portanto, só resta explicar mais sobre a capacidade humana de aquecer ou interferir no clima, mas, quanto ao chamado aquecimento global isso não é bem assim e vou deixar essa questão para outras ocasiões bem como recomendo novamente o blog http://sartori-aquecimentoglobal.blogspot.com.

  8. Rubi disse:

    Sabe, na época que eu estudava, costumava conversar muito depois da aula com meu professor de geografia. Um dia, tocamos neste assunto e ele me disse exatamente a mesma coisa que Molion.
    ( ”Quando se diz, ‘vamos reduzir as emissões’, o que se quer dizer é: ‘Vamos reduzir a geração de energia elétrica’.) E de fato, se pararmos pra pensar faz sentido. Foi graças a ele que passei a ter uma visão diferente sobre as coisas, e mesmo depois de ter concluído os estudos, tenho seu blog, pra reforçar o que eu já havia visto. Continue com este trabalho fantástico; informação (útil) nunca é demais.

    • Oi Rubi, também aprendi a ver tudo por lentes diferentes, com alguns professores. Acho a maioria das pessoas tão pouco críticas. Acreditam na primeira coisa que ouvem, sem procurar conhecer outros pontos de vista (acho que, em grande parte, por pura preguiça: pensar dói, cansa, dá trabalho). Por isso, muitas vezes eu faço o papel de chata. Porque quando eu vejo que tá todo mundo falando de rosa, eu venho com o amarelo. No fundo, a minha intenção é abrir caminho para o debate, para a discussão. Em meus textos, sempre que posso, eu procuro fazer citações ou colocar correntes de pensamento divergentes, para que o leitor possa formar sua opinião de forma imparcial. Nem sempre sou compreendida. Mas, eu continuo jogando a semente para ver no que vai dar.

      P.S.: Obrigada por seus comentários sempre muito pertinentes. Você não imagina como é decepcionante perceber que algumas pessoas nem refletem sobre a leitura (se é que chegam a ler mesmo) e já tascam logo o famoso: Massa!

      Beijos!

  9. Zé Altair disse:

    Não vi os vídeos, não li os comentários.

    Mas, já disso eu sei bem. Não é farsa! Ponto.

    Em meio a tantas opiniões, é bom dizer: CONSPIRAÇÃO dessas arcaicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s