Educação A Distância: será que é uma boa opção?

Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte)

Crédito de imagem: Google imagens

Há algum tempo venho sendo consultada por várias pessoas, que gostariam de ingressar em um curso a distância, mas têm receio de que essa não seja uma boa escolha. Como forma de tentar minimizar essas dúvidas, resolvi escrever este post, reunindo algumas pesquisas e impressões pessoais – como estudante de EAD – sobre essa modalidade de ensino.

Definição

De acordo com o Decreto 5.622/2005, é a modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino-aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias da informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos.

Segundo o MEC – Ministério da Educação – Educação a distância é a modalidade educacional na qual alunos e professores estão separados, física ou temporalmente e, por isso, faz-se necessária a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação. Essa modalidade é regulada por uma legislação específica e pode ser implantada na educação básica (educação de jovens e adultos, educação profissional técnica de nível médio) e na educação superior.

Para o professor Wagner Horta, formado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Minas Gerais, e apresentador de correção de vestibulares para o Portal Terra, a EAD é o grande projeto de inclusão acadêmica no Brasil, ao levar o conhecimento a milhões de brasileiros que moram em lacalidades distantes, que não têm como se deslocar diariamente para a escola, pois dela vivem longe, trabalham, não têm como arcar com o custo de locomoção ou já se encontram fora da idade escolar. É o maior projeto de inclusão acadêmica que já existiu no país. Muito maior do que o próprio ProUni.”

Outra coisa que é preciso entender é que o ensino a distância não concorre com o presencial. Ela visa a democratizar o acesso à educação a milhões de brasileiros que, não fosse desta forma, não teriam acesso ao estudo e à cultura. Sendo assim, não pode ser vista como substitutiva da educação convencional, presencial.

Como Funciona (minhas experiências como estudante de EAD)

Apesar do que sugere o nome, a maioria dos cursos EAD possui encontros presenciais obrigatórios, por isso eles são normalmente chamados de cursos semi-presenciais. Eu vivenciei a experiência de EAD em duas instituições, ambas públicas: pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro -UNIRIO¹ (Graduação) e  pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas -IF Sul de Minas² (Técnico). Em ambas, o sistema de ensino a distância era praticamente o mesmo. Abaixo, segue uma rápida descrição das semelhanças e diferenças que percebi em cada um dos cursos dos quais participei (e participo).

Semelhanças:

Ambiente Virtual: Também conhecido como Plataforma, é um programa de computador que simula uma sala de aula. É um espaço virtual onde as informações, aulas e materiais  ficam disponíveis ao aluno. O acesso a ele se dá por meio de um login  e uma senha.

Tutoria: As aulas são mediadas por professores conhecidos como tutores (professor capacitado para dar aulas on-line). Há tuores a distância, com os quais o aluno normalmente se comunica através de chats, fóruns, e-mail, messenger ou telefone, e há os tutores presenciais, que estão acessíveis tanto virtualmente quanto presencialmente (através dos polos presenciais).

Polo Presencial: Pode ser entendido como o “local” em que acontecem os encontros, o acompanhamento e a orientação para os estudos, as práticas laboratoriais e as avaliações. Os polos oferecem a infraestrutura física, tecnológica e pedagógica para que os alunos possam acompanhar os cursos a distância. Os polos presenciais, normalmente, estão distribuídos pelos vários municípios da região em que a instituição de ensino está sediada.

Fóruns: Espaços virtuais de discussão, simulando uma conversa presencial. Possibilita a interação entre os participantes ao propiciar a conversa coletiva. Também pode servir como ferramenta de avaliação do aluno, uma vez que permite ao professor tutor  visualizar  de que forma os alunos estão construindo o  conhecimento  e  desenvolvendo suas habilidades.

Diferenças:

Forma de ingresso: Na UNIRIO aconteceu através de vestibular; no IF Sul de Minas, através de sorteio (curso técnico) e vestibular (graduação).

Avaliações: Na UNIRIO, além das atividades postadas na plataforma, havia avaliações presenciais e a distância, que ocorriam bimestralmente. No IF Sul de Minas o aluno é avaliado durante todo o curso, através de sua participação e realização das atividades semanais da plataforma e dos encontros presenciais.

Envio de atividades: Na UNIRIO, as atividades tinham de ser entregues,de forma impressas (ou manuscritas), nos polos presenciais. No IF sul de Minas, as atividades a distância são enviadas através da prórpia plataforma e as atividades presenciais são entregues em mãos ou enviadas pela plataforma (dependendo da proposta do professor tutor).

Obs.: As demais diferenças dizem respeito ao nível de ensino (Graduação x Técnico) e as particularidades de cada instituição (como a metodologia de ensino, por exemplo).

Qualidade

A questão da qualidade é mesmo a maior preocupação de quem pretende ingressar em um curso à distância. Na realidade, o problema da qualidade da Educação A Distância reflete o que ocorre com a educação como um todo no país.

Crédito de imagem: Google imagens

Na opinião do professor Wagner Horta,  a deficiência da EAD ocorre da mesma forma como nos cursos presenciais. Uma rápida leitura dos resultados das avaliações mostra o retrato das instituições. Mas, o maior crime é o MEC não fechar instituições desqualificadas.

Diante deste quadro, como podemos detectar os cursos EAD de baixa qualidade? Ainda segundo o professor Horta, que também é diretor do Jornal da Educação Vestibular e do Guia das Profissões, na hora de se inscrever, o estudante deve levar em conta a estrutura e a formação do corpo docente das universidades emissoras de conhecimento. Isso é o fundamental. O bom curso é aquele que oferece professores formuladores com vasta experiência nas tratativas dos seus conteúdos e na sua relação de interação com os estudantes.

O MEC é o órgão público responsável pela fiscalização da regularidade da qualidade dos cursos oferecidos no Brasil, inclusive na modalidade a distância. O aluno pode verificar a regularidade da sua instituição e de seu polo de apoio presencial, acessando o SIEAD – Sistema de Consulta de Instituições Credenciadas para Educação a Distância e Polos de Apoio Presencial.

Legislação Específica

Decreto Nº. 5.622/2005
Decreto N.º 5.773/2006
Decreto N.º 6.303/2007
Portaria nº 1/2007
Portaria nº 2/2007 (revogada)
Portaria nº 40/2007
Portarian nº 10/2009
 

Mitos

– O diploma de EAD, ao contrário do que se pensa, não vem com uma “tarja preta”. Não há nenhuma especificação de que o curso foi concluído a distância. O diploma do aluno de EAD é igual ao do aluno do curso presencial.

– As avaliações a distância não são mais fáceis ou mais difíceis do que as presenciais. Qualquer avaliação é elaborada para atingir um determinado objetivo, que, com certeza não é o de prejudicar ou facilitar a vida do aluno, mas de verificar se os conhecimentos e as habilidades necessárias para cada formação foram apreendidos e desenvolvidos.

– A qualidade do ensino na modalidade EAD não é pior do que a da educação presencial. As deficiências existem em ambos tipos de ensino. Por isso, é sempre importante conhecer bem a instituição em que se pretende ingressar.

– A interação entre alunos e professores não deixa de acontecer só porque o ensino se dá a distância. Para isso existem as ferramentas de comunicação e os encontros presenciais. Nada impede que os relacionamentos aconteçam.

Verdades

– A EAD exige do aluno muita discplina. Os cronogramas devem ser seguidos e os prazos para entrega das atividades costumam ser bem rígidos. Mas, nada impede que o aluno converse com os tutores e entre em conciliação a esse respeito.

– Há ainda muito preconceito contra a modalidade de ensino a distância, tanto por parte do mercado de trabalho, quanto pela sociedade. Essa resistência está vinculada, normalmente, ao desconhecimentos das pessoas a respeito do sistema de educação a distância brasileiros. Entretanto, a qualidade da educação a distância comprovada pelos indicadores do MEC e pelo bom resultado desses profissionais em concursos públicos tem contribuído para o reconhecimento da modalidade por parte dos empregadores.

– O aluno pode estudar quando quer. Esta flexibilidade e possibilidade de autogerenciamento do tempo é uma das maiores vantagens dos cursos a distância. Desde que cumpra os prazos estabelecidos, o aluno pode estudar nos momentos em que estiver mais disponível.

– O aluno é construtor de seu próprio conhecimento (mas isso deveria valer para qualquer modalidade de ensino).

Crédito de imagem: Google imagens

Vantagens para o aluno

– Acessibilidade ao sistema de ensino;

– Autogerenciamento e racionalização do tempo;

– Maior permanência do aluno em seu ambiente profissional, familiar e cultural;

-Favorece o desenvolvimento de habilidades como leitura, iniciativa, pesquisa, autonomia e intimidade com ferramentas de comunicação e informação, dentre outras;

-Economia das despesas diárias com transporte, alimentação, material escolar etc;

Desvantagens para o aluno

– Preconceito existente por parte da sociedade e de alguns gestores de empresas, devido à falta de informação (apesar de que as habilidades comportamentais também são avaliadas pelo mercado de trabalho e, muitas vezes, mais valorizadas do que as competências técnicas);

– A EAD normalmente exige dos alunos um nível elevado de compreensão de textos e de familiaridade com a utilização de recursos multi-mídia (apesar de que as dúvidas e dificuldades podem ser sanadas nos encontros presenciais ou através das ferramentas de comunicação com os tutores);

– A EAD normalmente exige rigorosos planejamento e auto-disciplina por parte do aluno. Daí a dificuldade de muitos em concluir os cursos.

Crédito de imagem: Google imagem

Para Refletir:

“O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele” (Immanuel Kant)

¹ EAD UNIRIO: A instituição participa do consórcio CEDERJ – Centro de Educação Superior a Distância do Rio de Janeiro (formado por seis universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro) em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro, por intermédio da Fundação CECIERJ, com o objetivo de oferecer cursos de graduação a distância, na modalidade semipresencial para todo o Estado.

² EAD IF Sul de Minas: O Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas nasceu da unificação das Escolas Agrotécnicas Federais de Inconfidentes, Machado e Muzambinho, tradicionalmente reconhecidas pela qualidade na oferta de ensino médio e técnico na região.  Com sede no município de Pouso Alegre, o  IF Sul de Minas oferece cursos de ensino médio integrado, técnico, cursos superiores de tecnologia, licenciatura, especialização, pós-graduação e cursos de Educação a Distância. Além dos campi de Inconfidentes, Machado e Muzambinho o IFSULDEMINAS tem Unidades Avançadas e Polos de Rede nas cidades da região.

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos, Sem categoria e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Educação A Distância: será que é uma boa opção?

  1. J.R. disse:

    Muito bom o post!! Super informativo!!! 🙂

  2. Blog Teia disse:

    Olá Tonia.
    Post divulgado no blog Teia.
    Até mais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s